Filmes Comentários

quarta-feira, 26 de junho de 2013

BRASIL & TURQUIA. LUTA POR AUTO-ESTIMA. LUTA POR LIBERDADE

JORNAL COMENTADO 127
6:44 – 26.06.2013 – Quarta-feira

TonY PachecO*


Brasil e Turquia estão desmontando a teoria tão aceita de que países em ascensão econômica levam seus povos a apoiarem seus governos incondicionalmente. As praças turcas e as ruas brasileiras estão mostrando o contrário.
Nações são como pessoas, não vivem sem liberdade e também não vivem sem auto-respeito, a tão falada auto-estima. 

No Brasil, tal como o paciente que se sente humilhado, espezinhado e não consegue reagir, o movimento das ruas de junho de 2013 é um NÃO claro e sonoro à continuidade dos governos instalados no País, que insistem no “a priori” de que o povo é idiota e que qualquer esmola que se dê ao povo pode-se exigir dele OBEDIÊNCIA CEGA. Nos governos de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e da dupla Lula e Dilma (PT), este sentimento da CRUELDADE DO ESTADO E DOS GRUPOS DOMINANTES para com a população se tornou explosivo. Da parte de Brasília só vem PROPAGANDA de que vivemos no melhor dos mundos, que o Brasil está disputando com Inglaterra e França a posição de terceira maior economia do Ocidente, mas ao botar o pé na rua de manhã, o brasileiro afunda o tênis no esgoto a céu aberto. Pula daqui e pula de lá, chega ao ponto de ônibus para ver um calhambeque com mais de 10 anos de uso chegar lotado ou ficar no seu carro pequeno engarrafado em ruas estreitas e esburacadas. Em metrópoles como São Paulo, Rio, Salvador, os trabalhadores ficam entre 5 e 6 horas dentro dos ônibus fétidos, feios, sem higiene, lotadíssimos. Ao final, uma passagem caríssima, calculada em reuniões sem nenhuma transparência entre os donos dos ônibus e os políticos, com a sempre generosa colaboração da imprensa, que NADA QUESTIONA. “A economia vai bem”, diz o governo, mas a mulher e o homem que chefiam famílias só vêm seu endividamento aumentar, todos os produtos (alimentícios ou não) nos supermercados subindo a cada mês e qualquer objeto a ser comprado, tem que ser pago no CREDIÁRIO. Assim, do tênis do menino de 200 reais ao celular moderno da menina do mesmo preço, tudo tem que ser pago em 10 ou 12 prestações, tornando a população escrava de um sistema financeiro que a impede de equilibrar suas contas no fim do mês. E todos respondem nas ruas ao cumprimento “Tudo bem contigo?”, com um revoltado e depressivo “Tá bom, mas tá ruim”. O tá bom é por conta da mensagem do governo de que a economia vai bem e que o Brasil já chegou ao futuro de glória. O tá ruim é por conta da realidade familiar que, mergulhada em dívidas, insiste em desmentir o governo. E não se pode sair nas ruas à noite. O medo de ser assassinado no Brasil é epidêmico. Quase 90% dos brasileiros têm medo de ser mortos de maneira violenta nas ruas. E não é pra menos. Os assassinatos aqui são 26 a cada 100 mil habitantes, quando a ONU diz que a partir de 10 por 100 mil, já é doença social. A Educação está aos frangalhos, pois a escola particular, que se tornou uma saída com a melhoria do nível de renda, tornou-se UMA FARSA, pois os estudantes ficam sempre na rabeira de todas as pesquisas de proficiência internacionais. Temos universitários FORMADOS COMO FORNADAS em faculdades que são fábricas de diploma. E diplomas que não servem para melhorar a vida dos diplomados pois estes nada aprenderam de relevante. Aí temos advogados atendendo em balcões de lojas de tecido... Este é o Brasil que as pessoas estão CANSADAS, verdadeiramente de saco cheio e é isso que explodiu nas ruas e, agora, mais do que nunca, os brasileiros notaram que seus governantes SÃO INCOMPETENTES. Sequer sabem dar uma resposta efetiva às reclamações das ruas. O jovem que foi recebido pela presidente Dilma para conversar sobre a revolta das ruas saiu desanimado, pois constatou que o governo não compreende nem responde bem às questões reais do País. Claro, o governo vive na imagem do País que é feita na sua propaganda oficial por marqueteiros profissionais (muitos deles baianos, justamente de um dos estados mais pobres do Brasil) que compram ilhas para si próprios enquanto o povo não tem dinheiro para ter um celular de conta, é tudo no pré-pago.

Na Turquia, a luta é por liberdade, pura e simples, sem nenhum enfeite. Os jovens querem voltar no tempo. No tempo do fundador da República Turca moderna. Mustafa Kemal Ataturk, em 1923 (aos joviais 42 anos de idade) fundou um Estado que, até a sua morte, em 1938, lutou CONTRA OS RELIGIOSOS ISLÂMICOS, adotando as roupas ocidentais, o direito das mulheres, o direito à escolha religiosa, a educação laica, a democracia política. Tudo isso começou a desmoronar em 2002, há 11 anos, quando, justamente, a Turquia começou a crescer economicamente. É o mesmo discurso: “A economia vai bem”. Sim, os turcos têm acesso a mais brinquedos tecnológicos, há mais comida industrializada que os faz ficar gordos iguais aos brasileiros, mas o primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan, que manda no país há 11 anos, aproveita o bom momento econômico para REINSTALAR O CLERO MUÇULMANO no poder, perseguindo as mulheres, que hoje voltam a ser obrigadas a usar véus; tentando proibir o uso de álcool através de medidas permanentes de controle social; encarceramento de jornalistas que denunciam tudo isso (a Turquia é o país que tem mais jornalistas presos no mundo). Enfim, Erdogan tenta ser um novo califa do islamismo sunita, reeditando um costume que Ataturk quebrou no início do século passado, quando fechou as escolas islâmicas em seu país e colocou a Turquia entre as nações ocidentais democráticas. Erdogan é a tentativa de ressuscitar uma Turquia Otomana, aquela que foi derrotada na Primeira Guerra Mundial e cujos domínios iam das imediações de Viena, na Áustria, até os confins da África e às portas da Índia. É um líder islamita que quer controlar o seu povo, dizer a ele o que come e o que bebe, o que deve pensar e o que deve falar, e o povo turco também está ficando de saco cheio e não está disposto a trocar sua liberdade por um prato de comida. De mais a mais, os anos de democracia vividos pelos turcos, os aproximaram do modo de vida ocidental, com milhões de turcos vivendo na Alemanha e outros países europeus e sentem na pele o PRECONCEITO dos europeus, justamente, por causa da sempre ameaçadora religião islâmica, que tenta voltar ao poder na Turquia. E é por isso, que Alemanha e França sempre vetam a entrada do país na União Europeia desde 1987, o que levaria os turcos a um novo patamar histórico de desenvolvimento. Alemães e franceses sabem que há sempre um Erdogan nas esquinas de Istambul e Ancara, pronto para criar um regime islâmico que pode ameaçar toda a Europa e é por isso que os jovens turcos querem escorraçar Erdogan e seu islamismo oportunista e personalista.

A sorte está lançada. Ninguém consegue vislumbrar até onde irá a determinação destes dois povos, brasileiro e turco, mas, um recado já deram e só os oligofrênicos no poder ainda não entenderam: NINGUÉM ESTÁ SATISFEITO, NEM NA TURQUIA NEM NO BRASIL. Se não mudar agora pacificamente, vai mudar lá na frente violentamente.

“Propagandas dos governos federal, estaduais e municipais”
(em todos os canais de TV, rádios, revistas, jornais, sites e blogs)

Baseado na ortodoxia freudiana, defendo que a oligofrenia (defeito no cérebro que impede o aprendizado com a experiência vivida) é uma epidemia na nossa espécie e parece ficar a cada dia pior. Falo isso diante da reação dos governantes diante do movimento das ruas no Brasil. O povo JÁ DEIXOU CLARO que NÃO ACREDITA mais nos políticos, daí impedirem, sempre, qualquer bandeira de partidos em suas manifestações.
Se houvesse um mínimo de inteligência entre os políticos, eles passariam a OUVIR MAIS A POPULAÇÃO e FALAR MENOS. Mas o que notei nestes últimos dias de revolta dos brasileiros? AUMENTOU O NÚMERO DE PROPAGANDAS em todos os meios de comunicação. O governo federal dizendo que está fazendo e acontecendo. O governo da Bahia dizendo que está combatendo a seca. O governo de Salvador apresentando projetos para solucionar tudo. TUDO MENTIRA. Sr. Lula e D. Dilma estão enrolando com uma transposição do Rio São Francisco que não acaba nunca. Os canteiros de obra da transposição estão tomados pelo mato. O governo baiano continua falando em Ferrovia Oeste-Leste e Porto Sul, de Ilhéus, quando se sabe que nada está sendo feito e, o pior, o que está pronto, como o Parque Eólico do sudoeste, NÃO TEM LINHAS DE TRANSMISSÃO, isto é, a energia é gerada mas não chega nem na minha nem na sua casa. E o nosso pequeno prefeito falando em calçadões maravilhosos quando não conseguiu em QUATRO MESES DE ESTIAGEM TOTAL (janeiro, fevereiro, março e abril não choveu em Salvador) consertar o asfalto da cidade. Ou seja, quem não asfalta rua quer construir calçadões quilométricos no estilo Copenhague e Amsterdam, ora me deixem!
Senhora governante, senhor governador, senhor prefeito, SUSPENDAM SUAS PROPAGANDAS. Elas estão sendo motivo de PIADA e ÓDIO pela população.
Não acreditem em seus marqueteiros neste momento. Enquanto eles ganham rios de dinheiro, os senhores estão perdendo mares de popularidade. 
Embora eu saiba que este conselho não será ouvido (por causa da oligofrenia que falei antes, mas não custa tentar).

“Gilberto Gil comemora hoje 71 anos”
(“Correio”)


Durante mais um show morno de Gilberto Gil no Terreiro de Jesus, um fã perguntou a ele sobre o movimento “Vem pra Rua” que incendeia o Brasil há semanas. Não podia ter errado melhor o alvo. Gil, como a maioria dos artistas, tem um ego gigantesco e só está interessado em si mesmo. Ele respondeu que “já corri muito da Polícia, agora é a vez de vocês”. A biografia dele não diz exatamente isso. Isto é a resposta de quem não tem resposta ou de quem não quer dar resposta nenhuma. Não ter posição a respeito do movimento único que acontece nos 513 anos de História do Brasil é, realmente, estar totalmente fora da realidade. É egodistonia. Tudo a ver. 

* tonY Pacheco é jornalista-radialista profissional e estudou também Economia e Psicanálise, o que não garante que aprendeu alguma coisa...

Um comentário:

  1. digno do velho e bom jornal do brasil dos meus tempos.

    ResponderExcluir