Filmes Comentários

sexta-feira, 23 de junho de 2017

POR QUE É IMPORTANTE PARA A POPULAÇÃO DE SALVADOR SABER QUANTOS SAEM E QUANTOS ENTRAM NA CAPITAL NOS FERIADÕES?

TONy PACHEco



A quantidade de gente que sai de Salvador em cada festa é uma velha obsessão da mídia: antes do Carnaval, antes do Réveillon, na Semana Santa, no São João. Agora, NUNCA EXISTIU um órgão público, nem da Prefeitura nem do Governo do Estado que tivesse feito, até hoje, um levantamento sério. Nem prefeito nem governador querem mexer, pois isso OS OBRIGARIA A ADOTAR MEDIDAS SEVERAS em torno da quantidade de funcionários públicos que ELES LIBERAM nestes feriadões, DEIXANDO A POPULAÇÃO SEM ATENDIMENTO. Ao admitirem a mentira de que TODO MUNDO SAI DE SALVADOR em época de festas, ficam livres para descuidar do transporte público, do policiamento da capital, dos plantões de socorro médico e de defesa civil, enfim, AFROUXAM TODOS OS SERVIÇOS PÚBLICOS, sem exceção. Mas a verdade que se nota nos bairros da cidade, principalmente nos bairros populares, é que ESTÁ TODO MUNDO EM SALVADOR, saem apenas os mais ricos e os mais pobres ensandecidos, mas a MAIORIA ESMAGADORA fica numa capital ABANDONADA PELOS SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS. Tiram ônibus de circulação, dão folga a médicos e enfermeiros, a bombeiros e policiais, enfim, a esculhambação de sempre levada à enésima potência. E isso, sem falar na QUANTIDADE DE TURISTAS que chega a Salvador nas mesmas datas: Réveillon, Carnaval, Semana Santa e São João, que também devem ficar estarrecidos como os serviços públicos são desativados pela Prefeitura e pelo Governo do Estado. No afã de agradar os servidores públicos (grandes eleitores), desmantelam os serviços nos feriadões e não atendem aos turistas que chegaram nem à maioria dos soteropolitanos que ficou aqui. E a mídia embarca bonitinha. A imprensa, sem NENHUM PARÂMETRO CIENTÍFICO, vomita estatísticas de quantos saíram de Salvador nas festas e nem sequer se lembra de tentar verificar quantos entraram em Salvador nas mesmas festas. Um caos estatístico, bem ao gosto das "ôtoridades" estaduais e municipais da Bahia. 
Quem fica em Salvador ou quem chega como turista nesta época de feriadões se se envolver em qualquer acidente, tiver problema de saúde ou de segurança, precisar se deslocar, come o pão que o diabo amassou na capital baiana. E vâmo que vâmo!

3 comentários:

  1. Muito boa esta abordagem Pachecão. Acredito que vai repercutir pois é uma flagrante aberração esta desativação do serviços públicos com base em uma meia verdade. Mais cedo ou mais tarde esta constatação feita por você vai servir para ser revisto este equívoco da administração pública.

    O velho Lula vai em cana ou não vai? Vai comemorar a prisão do cara? Você é fã de Sergio Moro, Luis Mota é eleitor de Aécio, parabéns aos dois intelectuais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E você? Aposto que é um funcionário público daqueles que em 31 de dezembro já está consultando o calendário do ano seguinte para ver todos os chamados feriadões para deixar de trabalhar na quinta-feira e só voltar na segunda. Vocês amam isso, né? Tem mais direitos que todos os trabalhadores brasileiros, não podem ser demitidos, ganham mais do que qualquer um da iniciativa privada no mesmo cargo, se aposentam com mais dinheiro do que estavam na ativa. E ainda se preocupam em não trabalhar aos sábados e domingos e emendar feriados o ano inteiro. Paraíso de um Estado Para Si Mesmo.
      Ah, e você deve estar felizão com Aécio ter escapado da degola, né não? Fala a verdade, você quer todos os ladrões soltos, pois com seu discursinho legalista de firulas de códigos que protegem vagabundos com ideologia para enriquecimento ilícito, adora esgrimir Constituição e outros apetrechos para permitir aos ladrões políticos continuarem a roubar. E viva você, sumidade intelectual.

      Excluir
    2. Errou Pacheco; concordo com você raramente, esta constatação da matéria acima é uma delas. No mais, você não toma jeito, não aprende a ser fiel aos fatos, e aí 1) inventa defeitos para uma pessoa que você nem conhece; 2) "esquece" de criticar o texto de seu opositor no campo das ideias. Desculpe, não quero lhe ofender, mas vá estudar e esfriar a cabeça para não escrever tantas bobagens pois a defesa da legalidade, inclusive para se punir os ladrões, é a face mais ativa do exercício da cidadania.

      Excluir