Filmes Comentários

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

SALVADOR, O METRO QUADRADO MAIS BARATO DO BRASIL.


JORNAL COMENTADO 62

tony pachEco*

6:07 – Quinta-feira – 28.02.2013

“Preço do metro quadrado dispara em RJ e SP”
(“Tribuna da Bahia”)

“Desemprego na RMS tem alta e atinge 17,3% em janeiro, diz DIEESE”
(“Correio”)

Dá pra ver porque o metro quadrado em Salvador é o mais barato entre as capitais brasileiras...

Metro quadrado em São Paulo chegou aos R$21.483. Isto é, um apartamento como o que nós moramos aqui em Salvador, de 170 metros quadrados, vale R$3 milhões e 600 mil em Sampa.
Já na capital da Bahia, nosso apartamento só vale, teoricamente, R$674.000. Contudo, a última vez em que tentamos vendê-lo, mesmo anunciando por R$250 mil, ninguém quis... NINGUÉM MESMO.
Em Salvador está o metro quadrado MAIS BARATO entre as grandes capitais do Brasil: R$3.965. A média nacional do metro quadrado construído é de R$6.862.
É motivo para comemorar? Sim. Para quem paga aluguel, pode soltar seus fogos à vontade. Este dado é uma maravilha. Só que quem paga aluguel não faz a economia girar, não cria empregos na construção civil, não gera impostos etc. e etc.
Mas, para o estado da Bahia e para o município de Salvador, como entidades político-financeiras, isto é UMA TRAGÉDIA. Significa que as economias do estado e da capital estão com sérios problemas, pois não conseguem acompanhar o ritmo nacional de desenvolvimento.
E para o proprietário de imóvel, seja ele seu Zé, da invasão das Malvinas, ou dona Patrícia, da Graça, é UM HORROR, pois têm um CAPITAL IMOBILIZADO que NÃO CRESCE de jeito nenhum e se deixarem para os filhos, deixarão algo que tem um valor INEXPRESSIVO.

E POR QUE É ASSIM?

O prefeito ACM Neto chegou ao poder numa eleição memorável e já notou o que João Henrique e todos os anteriores a ele já sabiam: Salvador é uma CIDADE PAUPÉRRIMA.
Como administrar uma cidade onde você NÃO PODE cobrar impostos dos cidadãos para oferecer-lhes serviços de saúde, educação, transporte, segurança e lazer?
Salvador é campeã nacional de desemprego há décadas. A economia da Bahia não avança. Pernambuco está se transformando num oásis de desenvolvimento no Nordeste enquanto a Bahia fica patinando, patinando, embora a propaganda oficial seja MARAVILHOSA. IMPECÁVEL.
É isso que faz com que o metro quadrado construído em Salvador seja o mais baixo do País. É porque NÃO É INTERESSANTE economicamente morar ou ter negócios aqui.
Enumeremos:
1)    como já dissemos, somos a capital do desemprego no Brasil, isto é, são mais de 400 mil soteropolitanos que estão fora do mercado de trabalho e, com isso, consomem pouquíssimo e só consomem coisas baratas, de baixa qualidade, gerando uma economia pobre em recolhimento de impostos sobre consumo;
2)    a infraestrutura urbana é precaríssima: até uma bicicleta tombada numa rua qualquer causa um engarrafamento monstruoso. Não é por acaso que todas as rádios da capital baiana começam o dia dizendo: “É, caros ouvintes... mais um dia e 7 horas da manhã já está tudo travado na Av. Luiz Viana, a Paralela; na orla; na Av. Bonocô; na Suburbana...” e aí prossegue a descrição. Não há investimentos de monta em infraestrutura urbana em Salvador há quatro décadas, pelo menos e o que estão fazendo, como na Rótula do Abacaxi, criaram um sentido de tráfego livre em cima e deixaram os engarrafamentos embaixo – um erro crasso;
3)    70% dos imóveis da cidade são irregulares (duvida? Perca o amor a R$500 e dê um vôo de helicóptero por Salvador, você vai querer se jogar lá do alto...). Somos o maior favelão do Brasil proporcionalmente e, aí, o que acontece? Como só 3 em cada 10 imóveis são totalmente regulares, você como prefeito NÃO PODE querer cobrar destas três famílias TODO O CUSTEIO DA CIDADE. Seria injusto e quase cruel. E estas três famílias têm nível superior, são formadoras de opinião e têm acesso aos meios de comunicação e não aceitariam passivamente pagar sozinhas o que as outras sete famílias usufruem... E, aí, você fica sem dinheiro para tocar a cidade e enfrentar os problemas que ela tem. É o chamado CÍRCULO VICIOSO: “Não faço porque não tenho. Não tenho porque não faço.”;
4)    A cidade chegou ao fundo do poço em termos de manutenção dos equipamentos públicos: ruas, avenidas, praças, praias, monumentos, limpeza, ordenamento do uso do solo, está tudo escangalhado, exigindo investimentos milionários.
E muitos outros elementos CONSPIRAM contra Salvador e, por isso, o mercado imobiliário local é, na verdade, um grande engodo, pois o investidor não consegue RETORNO do capital investido quando compra um imóvel em Salvador. Seria melhor torrar tudo em champanhe, como diria uma personagem do “reality” da Band, “Mulheres Ricas”. É cômico, se não fosse trágico pra todos nós.

* tony Pacheco é jornalista formado pela UFBA e estudou Economia nas universidades Federal de Juiz de Fora e Federal da Bahia.

7 comentários:

  1. E aí barão? Se Salvador tá tao ruim pros seus negocios, então porque não se pica logo daqui? Eu nã vou sentir sua falta.

    ResponderExcluir
  2. Se você pensa dessa forma Anônimo. Então, é a sua presença que não faz falta.
    Parabéns a Tony Pacheco.

    ResponderExcluir
  3. Tony Pacheco, sou corretor de imóveis e percebo que o valor médio do metro quadrado de Salvador-BA está em aproximadamente R$4.062,00.
    No entanto, se eu for vender um imóvel no Centro da cidade me baseando por esse valor médio eu estaria longe, muito longe, do valor real do imóvel e não existem compradores para esse preço.
    Você saberia me explicar este fenômeno, já que os valores ainda estão subindo nos números e pesquisas mas,na realidade não?

    Daniel Piñeiro
    Corretor de Imóveis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel, obrigado por participar do blog.
      A questão me parece simples. Como toda bolha, a bolha imobiliária de Salvador vive daquilo que a mídia diz sobre o mercado. "Que está aquecido", "Que todos compram", "Que a feita de imóveis foi um sucesso". As pessoas ACREDITAM NISSO e retroalimentam a crendice de que há um mercado em ebulição quando, você, QUE É PROFISSIONAL DO RAMO, Não vê isso na prática. A real é que temos um metro quadrado ridiculamente baixo porque somos uma cidade pobre de pessoas pobres em sua maioria. Você não pode cobrar mais caro porque as pessoas não têm dinheiro pra pagar. Aqui, o sujeito sai na coluna social, mas está devendo os olhos da cara. Acho que é por aí... Espero ter ajudado.

      Excluir
  4. Daniel, obrigado por participar do blog.
    A questão me parece simples. Como toda bolha, a bolha imobiliária de Salvador vive daquilo que a mídia diz sobre o mercado. "Que está aquecido", "Que todos compram", "Que a feita de imóveis foi um sucesso". As pessoas ACREDITAM NISSO e retroalimentam a crendice de que há um mercado em ebulição quando, você, QUE É PROFISSIONAL DO RAMO, Não vê isso na prática. A real é que temos um metro quadrado ridiculamente baixo porque somos uma cidade pobre de pessoas pobres em sua maioria. Você não pode cobrar mais caro porque as pessoas não têm dinheiro pra pagar. Aqui, o sujeito sai na coluna social, mas está devendo os olhos da cara. Acho que é por aí... Espero ter ajudado.

    ResponderExcluir
  5. Isso é devido a migração em massa de pessoas do interior para cá. Sem dinheiro construiram bairros inteiros irregularmente e agora não é possível concertar. Isso se vê claramente quando saimos da Av Luis Eduardo e pegamos a San Martim, entramos no lado favelão da cidade um submundo sujo e cheio de lixo e buracos com renda per capita de meio salário minimo.

    ResponderExcluir
  6. O que é pior é a falta de compreenção dos baianos,Salvador está acabada,fadada a falencia,3° maior cidade do país e 10° mais rica,sem perspectivas futuras,eu perguntei a um sergipano quem sustenta o nordeste e ele me respondeu PERNAMBUCO...a Bahia está no fundo do poço,a renda média familiar do baiano é a pior do país não é a tõa que todo medingo que ha nas ruas de todo o Brasil eles chamam de baiano,Salvador sede de copa do mundo e a professora me falou que um imovel em Aracaju é mais caro que em Salvador,uma vergonha! No dia em que nós baianos acordarmos para a realidade talvez seja tarde demais...

    ResponderExcluir